Sócrates, Platão e o fodão do Aristóteles

É inegável o reconhecimento que devemos dar a Sócrates, e inconfundível a legitimidade das abstrações de Platão. Mas foi Aristóteles quem ousou ir além e definir termos que até hoje são próprios da ciência e do conhecimento sobre as verdades que circulam nosso mundo (faculdade, média, máxima, categoria, energia, realidade, motivo, fim, princípio, forma… Todos são termos deste que até hoje é reconhecido como O Filósofo).

Para além de ter sido o instrutor de Alexandre (O Grande), Aristóteles não teve sua influência apenas dentre Atenas e Macedônia — ele legou ao mundo seu pensamento lógico e coerente, estando para pai do pensamento científico à medida em que Carl Sagan está para pai da divulgação científica. Sua influência sobre todos nós, quando buscamos questionar os fundamentos de nossa existência real e palpável, é indireta, mas a sua forma analítica de destrinchar os meandros da existência tem contato conosco desde os nossos primeiros contatos com questões sobre a natureza, e sobre os padrões que a fazem ser o que é.

Somos filhos de Sócrates, quando questionamos. Filhos de Platão, quando especulamos. Mas, acima de tudo, filhos de Aristóteles, quando nos dispomos a encontrar a verdade.

Mestrando em Filosofia (PUCRS). Produzo vídeos de divulgação filosófica no Youtube. Inscreva-se: http://youtube.com/alyssonaugusto

Mestrando em Filosofia (PUCRS). Produzo vídeos de divulgação filosófica no Youtube. Inscreva-se: http://youtube.com/alyssonaugusto