De tudo o que já senti, me sinto convicto de que a paixão, aquela repentina e sedutora, mais fala comigo, mais me atrai e me distrai. Aquele fogo que, num ímpeto de insanidade, acende sem dar vestígios, sem partir de faíscas ou se importar com inícios. Simplesmente nasce.

Para a paixão que em mim brota, não há acordos e regras de como proceder, não há diálogos. Minto. Há sim um diálogo, mas é platônico. Para Platão, amor é desejo, uma ânsia por adquirir algo que ainda não se tem. Amor é o que nos move em busca de um mundo utópico e que supra todos nossos interesses. Mas Platão generaliza ao chamar amor de paixão.

Quem se importa? Minha paixão é amor platônico.

Mestrando em Filosofia (PUCRS). Produzo vídeos de divulgação filosófica no Youtube. Inscreva-se: http://youtube.com/alyssonaugusto

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store