O caos político e o maior mandato da história do país

De alguma forma bastante curiosa, estou contente com o caos político instaurado no país. Não que eu esteja torcendo pelo caos, longe disso (embora possa ser uma solução).

É que, diante do fracasso do governo Dilma em se manter de pé, diante de tanta teoria da conspiração sobre haver ou não um golpe, diante de tanta lama de corrupção e de tantos boatos sobre todos os detalhes possíveis que regem cada escândalo, uma coisa tem se mostrado surpreendentemente positiva: as pessoas estão, mesmo que ignorante e ingenuamente, falando mais de política.

A cobertura que as emissoras convencionais deram e estão dando à política, muitas vezes deixando de lado seus programas que existem tão somente pela audiência, tem feito com que os cidadãos comuns, muitas vezes alienados da situação macroeconômica do país (e não sem motivo), estejam agora dispostos a entender melhor o que está acontecendo neste lugar que chamamos Brasil.

E isso tem chegado a mim, em forma de surpresa: conhecidos, amigos e familiares estão comentando a respeito, estão sabendo agora quem é Roberto Jefferson e por que Cunha é seu “vilão favorito”; quem é Temer e por que sua mulher é “bela, recatada e do lar”. Estão super interessados em resoluções e, curiosamente, preocupados com sua própria ignorância ao não saber que haviam eleito pessoas que dão as piores justificativas para darem um simples voto.

Talvez a previsão do Rodrigo da Silva se concretize, e o governo Dilma seja visto, um dia, como o maior mandato da história do país — pois seu fracasso é tão autoevidente que faz até analfabetos políticos se interessarem por alguma coisa. Ou, como diria a sabedoria popular: “há males que vêm para o bem”.

Mestrando em Filosofia (PUCRS). Produzo vídeos de divulgação filosófica no Youtube. Inscreva-se: http://youtube.com/alyssonaugusto

Mestrando em Filosofia (PUCRS). Produzo vídeos de divulgação filosófica no Youtube. Inscreva-se: http://youtube.com/alyssonaugusto